Sherlock Homes volta às telas.

Depois do sucesso de Sherlock Holmes em 2009, nada mais natural do que iniciar uma franquia. Já em cartaz há um tempo, Sherlock Homes: Jogo de Sombras traz Robert Downey Jr. de volta ao papel do detetive mais famoso de todos os tempos, dirigido novamente por Guy Ritchie. Desta vez, Holmes deve impedir que o maligno professor Moriarty (Jared Harris) e seu plano de acabar com a paz mundial.

Já vi muitos críticos reclamando que Guy Ritchie assassinou o Sherlock Holmes original dos livros de Conan Doyle. Eu nunca li para saber até que ponto estão certos, mas não me parece que o diretor tenha cometido um pecado assim tão grande quanto o dessa gente que anda por aí transformando vampiros em fadas. Ainda assim, o roteiro e a direção de Jogo de Sombras incomodam um pouco em dois aspectos.

Jude Law e Robert Downey Jr. levam Watson e Holmes à sua nova aventura.

Primeiro, a ausência de mistério. Logo no início do filme, Holmes conecta uma série de acontecimentos misteriosos e sem relação aparente uns com os outros e declara a seu fiel amigo Watson (Jude Law) que todos são obra de Moriarty. A conexão aparece pronta, e ao público não é dada uma linha de explicação de como Holmes chegou a ela. Watson duvida da teoria do amigo por um tempo, mas rapidinho se deixa convencer: Holmes só pode estar certo. E é assim que um filme de mistério começa com a primeira peça do quebra-cabeça encontrada: o vilão.

Segundo, os personagens caricatos. Discussões à parte sobre se Sherlock Holmes deveria ser um sisudo de cachimbo, que usa apenas o poder de observação e o cérebro, ou um homem de ação, socos e tiros. A tentativa de renovar o personagem gerou uma surpresa boa no primeiro filme, mas agora a mão pesou um pouco. Holmes está tão neurótico e alucinado que só o carisma de Downey Jr. é capaz de salvar, e Jared Harris parece não saber muito bem o que fazer com seu Moriarty, gerando um vilão típico de desenho animado. Sortuda foi Rachel McAdams, que tirou sua Irene Adler do barco antes que se afogasse.

Ainda assim, Jogo de Sombras tem seus bons momentos, arrancado risadas e incentivando o maior sentimento que acompanha os blockbusters: a torcida pelo sucesso do mocinho. 
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s