Hugh Laurie literário.

Hugh Laurie era um grande desconhecido fora do Reino Unido antes de estrear na série House e passar a ser indicado quase todo o ano para o Globo de Ouro e o Emmy, ganhando uns dois ou três. Recentemente, o ator, que já havia feito diversos trabalhos como roteirista, decidiu deixar ainda mais pública a sua inclinação literária, assumindo como seu o romance O vendedor de armas (The gun seller), publicado anteriormente sob um pseudônimo. É claro que isso impulsionou as vendas e as traduções para diversos idiomas, inclusive o Português do Brasil, o que fez com que a história, do ano 1996, chegasse aqui em 2010, estampando o nome de Laurie na capa ainda maior do que o próprio título. E para aqueles que ainda pudessem olhar para o nome e coçar a cabeça pensando “Hugh Laurie? Nunca ouvi falar…”, há uma pequena foto do autor/ator na capa, além de outra imensa na contracapa, para orientar quem porventura não for muito bom com nomes.



Hugh Laurie: um britânico em uma motocicleta, exatamente como seu personagem.

Assim como 99% dos leitores brasileiros, eu só li O vendedor de armas por causa do bendito nome “Hugh Laurie” escrito na capa. E não me arrependi nem um pouco. O personagem principal é Thomas Lang, ex-membro das Guardas Escocesas, que narra a história com um sarcasmo que combina tão bem com Laurie, que é impossível não imaginá-lo na pele do protagonista. Lang é sondado por um homem que quer contratá-lo para matar um proeminente empresário. Mesmo recusando a oferta, ele acaba envolvido em um esquema que é o sonho de qualquer fã de teorias da conspiração, mas o pesadelo vivo de Thomas Lang.

O livro não é nenhum tratado profundo sobre a condição humana na pós-modernidade, nem um romance psicológico com múltiplas interpretações, mas serve muito bem ao seu propósito: entreter com qualidade. Lang permite que o leitor entre parcialmente em sua mente, já que ele acrescenta várias observações pessoais aos mínimos detalhes que descreve. Em alguns momentos, essas observações ficam um pouco chatas, mas na maior parte do tempo, são bem engraçadas.

Enquanto Lang vai desvendando os mistérios que o cercam como um James Bond sem o apoio do M16 e sem um Aston Martin, mas com uma motocicleta japonesa, sua lista de façanhas apenas cresce. Só uma pergunta dura até o final do livro: quem, afinal, é o vendedor de armas? Leia e tire suas próprias conclusões.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s